Capítulo 13 – As Bruxas do Mar

Após tudo o que descobrira graças à minha visita à Taberna dos Encantados, a minha vontade de encontrar as Bruxas da Noite viu-se ainda mais reforçada. Como tal, logo no fim de semana seguinte, investiguei mais uma das entradas do diário que me parecia estar relacionada com bruxas.

Na tarde de sábado, em que a minha mulher e filha foram a uma livraria à apresentação de um livro, dirigi-me a Barcelos.

A entrada falava de vários desaparecimentos numa localidade dos arredores daquela cidade, envolvendo um olho marinho no Rio Neiva junto a um rochedo conhecido como o “Penedo da Moira”. Supostamente, em certas noites, mulheres saídas de baixo das águas arrastavam qualquer homem que encontrassem para o olho marinho, e ele nunca mais era visto. Depois de tudo o que vira, não tinha dificuldades em acreditar em moiras, contudo, como estas não eram referidas em mais nenhuma parte do diário, assumi que se tratavam de bruxas.

Cheguei ao local ao princípio da tarde. Havia ali várias pequenas lagoas, onde as pessoas costumavam nadar no Verão, porém, sendo um frio dia de Inverno, não se encontrava lá ninguém. Procurei imediatamente por aquela que seria o suposto olho marinho. Investiguei todos os rochedos na zona, procurando o “Penedo da Moira”, que indicaria qual era a lagoa certa. Levou-me algum tempo, mas acabei por encontrar um em cuja superfície superior havia uma cova cheia de água, a suposta “Pegada da Moira”. Este encontrava-se parcialmente dentro de uma das lagoas, indicando claramente que era aquela que eu procurava.

Anos antes, durante umas férias na Grécia, tirara um curso de mergulho para poder visitar umas ruínas subaquáticas. Comprara, até, o equipamento completo, esperando usá-lo depois para investigar outros locais semelhantes (o que, infelizmente, nunca aconteceu). Nesse dia levei-o comigo e, junto ao carro, vesti-o.

Cuidadosamente, entrei na lagoa e, assim que a água me chegou à cintura, mergulhei. A água era límpida, pelo que, mesmo nas partes mais profundas, conseguia ver o fundo claramente. Este era formado por seixos e alguma areia. Infelizmente, depois de uma busca demorada, não encontrei nenhum sinal do olho marinho. Toda a lagoa parecia ter um fundo bem definido. Contudo, uma pequena depressão no ponto mais profundo chamou-me à atenção. Parecia deslocada, pois não havia uma corrente clara que a pudesse provocar, e, a quase quatro metros debaixo da superfície, era duvidoso que pudesse ter sido criada por banhistas.

Aproximei-me. Desviei alguns seixos e, agitando a mão sobre ela, afastei a areia. Assim que esta assentou, revelou-se uma das coisas mais estranhas que eu já vira. Debaixo da depressão, havia apenas trevas, uma escuridão que nem a luz da minha lanterna de mergulho conseguia penetrar. Só podia ser o olho marinho.

Lentamente, mergulhei a mão nessa escuridão. Para minha surpresa, deixei de a ver, mas conseguia movê-la lá em baixo. Passado alguns momentos, apercebi-me que se tratava de um túnel.

De repente, comecei a sentir a água à minha volta mover-se, a princípio, lentamente, mas acelerando rapidamente. Apercebi-me, então, que se tratava de um turbilhão centrado no ponto escuro que eu acabara de descobrir. Instintivamente, tentei lutar contra ele, porém, ao ver que este era mais forte do que eu, acabei por me deixar levar. Afinal, estava ali para descobrir o que havia do outro lado.

Confesso que não foi das minhas decisões mais inteligentes. Pouco depois de entrar no túnel, bati com a cabeça e perdi a consciência.

Quando voltei a mim, estava num local escuro, mas fora de água. Doía-me o corpo todo, e não precisava de ver para saber que tinha vários ferimentos. Felizmente, não me pareceu ter nada partido.

Varri o chão com as mãos em busca da minha lanterna de mergulho, no entanto, quando a encontrei, descobri que esta estava completamente destruída. Por sorte, a mais pequena, que anda sempre comigo e que tinha guardado no bolso dos calções, debaixo do fato de mergulho, ainda funcionava.

Assim que a acendi, confirmei as minhas suspeitas. O fato estava rasgado em diversos pontos, e eu sangrava de vários cortes. Depois, dirigi a luz para a escuridão à minha volta. A primeira coisa que descobri foi um pequeno charco circular a meu lado, certamente a saída do olho marinho. Logo em seguida avistei paredes. Feitas de enormes blocos de granito, erguiam-se atrás e à minha frente, até desaparecerem na escuridão. Eram tão altas, que a minha pequena lanterna não conseguia iluminar o teto.

Sem mais nada que pudesse fazer, levantei-me e comecei a explorar o local. Tinha avançado apenas alguns passos quando encontrei o que mais temia, mas já esperara: um esqueleto humano. Certamente pertencia a alguém como eu, que chegara ali através do olho marinho, mas não conseguira sair.

Respirei fundo para me tentar acalmar e forcei-me a continuar a avançar. Mais e mais esqueletos apareceram, alguns envoltos em roupas e envergando joalharia tão antigas que deviam estar ali desde a idade média e até da época castrense. Tentei animar-me com a ideia de que talvez conseguisse encontrar algo que os meus antecessores não conseguiram. Afinal, entre os montes de ossos e farrapos não havia uma única lanterna.

Ocasionalmente, deparei-me com estátuas e baixos relevos gravados nas paredes representando o que só podia descrever como demónios. Tinham chifres e focinhos afiados, dentes pontiagudos, barbatanas e alguns até asas. As suas representações variavam muito em tamanho, mas se esta era a sua escala real ou apenas liberdade artística, não tinha maneira de saber.

Por fim, avistei uma ténue luz ao longe. Aproximei-me com cuidado, pois não sabia o que esperar, mas alguns metros mais à frente, apercebi-me que se tratava do fim da longa estrutura onde me encontrava.

Por momentos, senti-me aliviado, pensando que tinha encontrado a saída. Todavia, logo descobri que assim não era. A estrutura encontrava-se, de facto, aberta naquela direção. Contudo, em vez de uma saída, ali erguia-se o próprio oceano.

Aproximei-me e descobri que uma barreira invisível, certamente de origem mágica, impedia as águas do Atlântico de entrarem. E a mim de sair. Não que fizesse diferença. Mesmo que eu conseguisse transpor a barreira, dificilmente chegaria à superfície vivo. Dali conseguia vê-la e encontrava-se uns cem metros mais acima. Além disso, a probabilidade de ser encontrado e salvo no oceano quando ninguém andava à minha procura era mínima.

Em desespero, bati com os punhos na barreira invisível e, depois, deixei-me deslizar para o chão. Durante longos minutos, ali fiquei, resignado a morrer ali. Depois, lembrei-me da minha família, e decidi ir ver o que havia no outro extremo do edifício. Não tinha muitas esperanças, mas podia existir lá uma saída.

Estava prestes a levantar-me, quando ouvi uma batida na barreira invisível. Levantei o olhar e, por entre um cardume passageiro, vi uma mulher jovem, na casa dos vinte. Esta não envergava qualquer equipamento de mergulho, apenas umas calças de ganga e uma blusa que pareciam não afetar a sua flutuabilidade.

Recuei dois passos, não sabendo o que esperar. Logo em seguida, a mulher atravessou a barreira mágica e desceu para o interior do edifício. Para minha surpresa, as suas roupas pareciam completamente secas.

– Não tenha medo – disse ela. – Vim tirá-lo daqui.

– Quem é você? É uma das Bruxas da Noite?

A sua face contorceu-se em sofrimento ao ouvir aquele nome.

– Não – respondeu, por fim.

– Mas conhece-as? Sabe onde as posso encontrar?

– Não sei onde as encontrar, mas conheço-as, sim. Infelizmente.

A tristeza na sua voz deixou-me curioso, mas não tive coragem de perguntar nada. Ela, porém, apercebeu-se disso e continuou:

– A minha mãe e as outras Bruxas do Mar morreram por causa delas. Vieram ter connosco para as ajudar-mos a destruir uma comunidade de criaturas marinhas, ao largo de Castelo do Neiva, prometendo-nos objetos mágicos e outras recompensas. Mas, assim que fizemos o que elas pediram, atacaram-nos. Eu só sobrevivi porque a minha mãe insistiu que eu ficasse para trás. As outras estão todas mortas.

Com a minha curiosidade satisfeita, os meus pensamentos voltaram para o local onde me encontrava, para como ia sair dali e, principalmente, para as ossadas que encontrara. Aquela mulher podia não ser uma Bruxa da Noite, mas tudo indicava que as suas intenções também não eram benévolas.

– Que sítio é este? – perguntei.

– Um velho templo construído pelas minhas antepassadas, não se sabe bem quando. Durante séculos, usou-se um olho marinho e ilusões para trazer sacrifícios humanos até aqui. Acreditava-se que estes ajudavam a chamar a atenção do Diabo e dos demónios e facilitava o lançamento de feitiços e maldições. A minha avó acabou com isso. Os desaparecimentos começaram a atrair demasiada atenção. Agora, diga-me, qual é o seu interesse nas Bruxas da Noite?

Contei-lhe tudo sobre a minha busca e os “acidentes” que lhe deram origem.

– Se as quer parar, pode contar com a minha ajuda. Venha, vou tirá-lo daqui.

Aproximei-me. Ela agarrou-me e puxou-me, através da barreira invisível, para o oceano. Após um momento de pânico, apercebi-me que conseguia respirar debaixo de água.

Através de um método de propulsão além do meu entendimento, provavelmente de origem mágica, rapidamente chegámos a uma praia. Assim que levantei o olhar, vi as torres de Ofir. Estávamos em Esposende.

– Continue a procurar as Bruxas da Noite. Se precisar de ajuda, telefone-me. – A bruxa disse-me o seu número de telemóvel, que repeti na minha mente até o memorizar.

Depois, voltou para o mar e logo desapareceu debaixo das ondas.

Tinha encontrado outra bruxa inimiga das Bruxas da Noite. Contudo, naquele momento, tinha coisas mais prementes em que pensar. Estava sozinho a mais de quinze quilómetros do meu carro. Como ia explicar a situação à minha mulher sem lhe revelar o perigoso e assustador mundo paralelo ao nosso que eu descobrira? E os meus ferimentos?

Foi a pensar nisto que deixei a praia e me adentrei pela cidade.

Anúncios

Deixe um Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s