Capítulo 7 – Os Cerqueira

Um dia, depois do trabalho, alguns meses após a minha primeira visita ao Bar das Fadas, decidi lá voltar. Devido ao trabalho e a compromissos familiares, já há algum tempo que não tinha a oportunidade de investigar uma das entradas do diário, mas a minha curiosidade começava a tornar-se insuportável. O Bar das Fadas ficava perto do escritório onde trabalhava, pelo que era o local ideal para uma visita rápida. Quem sabe, talvez encontrasse lá alguém que pudesse responder a algumas das minhas perguntas ou até surgisse a oportunidade de visitar os túneis escondidos debaixo de Braga.

Como antes, acedi ao bar através das escadas situadas atrás de uma porta nos fundos de uma pastelaria junto ao Arco da Porta Nova. Quando lá cheguei, deparei-me com uma cena semelhante à da minha primeira visita. Havia apenas uma diferença significativa. Sentado ao balcão, encontrava-se um homem. Alice dissera-me que era raro aparecer alguém da minha raça ali, pelo que me aproximei devagar, observando-o atentamente para me certificar que não era apenas uma outra criatura semelhante a um humano. Assim que tive a certeza de que não estava enganado, sentei-me a seu lado.

Ele pareceu tão surpreendido como eu por ver ali outro humano. Chamava-se Henrique Cerqueira e, embora tivesse conhecimento daquele outro mundo há mais tempo, não parecia saber muito mais do que eu. Ainda assim, trocámos impressões enquanto bebíamos um copo daquela água que era a única bebida servida no bar. Ele não costumava sair de Braga, pelo que desconhecia tudo aquilo que eu encontrara fora dela, mas falou-me de um outro sítio parecido com o Bar das Fadas no outro lado da cidade, embora me tivesse avisado que não era tão bem frequentado. Não havia menção a esse local no caderno que eu encontrara, pelo que tomei uma nota mental para o visitar depois.

A nossa conversa viu-se interrompida, ao fim de pouco mais de uma hora, por um telefonema da minha mulher. Tive, então, de ir para casa, mas não antes de Henrique me dar o seu número de telemóvel e me convidar a ir um dia almoçar a sua casa. Talvez por ter finalmente encontrado alguém com quem podia falar daquele mundo que a maioria das pessoas desconhecia e em que provavelmente se recusariam a acreditar, fiquei expectante quanto a essa minha visita. 

Infelizmente, só pude aceitar o convite quase três semanas depois, quando a minha mulher teve de ir para fora em trabalho e a minha filha foi passar uns dias a casa de uma amiga.

Conduzi até à antiga freguesia de Dadim, onde se situava a casa de Henrique. Esta não foi difícil de encontrar. Seguindo pelo caminho que me ele havia indicado, dei imediatamente de caras com uma casa isolada, um pouco acima da base de uma colina coberta por uma floresta. À frente dela, estendia-se um vale que eu nunca me apercebera que existia, pois encontrava-se numa depressão que não era visível da estrada. Uma parede de granito delimitava-o juntamente com a casa, indicando que tudo aquilo pertencia aos Cerqueira.

Conduzi até à entrada e toquei à campainha, uma voz perguntou através do intercomunicador quem era e, assim que respondi, o portão abriu-se.

Mesmo estando de carro, ainda me levou uns cinco minutos  a percorrer o caminho de terra batida, que serpenteava entre socalcos cobertos de vinhedos.

Depois de uma última curva, cheguei à casa. De tão perto, era verdadeiramente impressionante. Tinha apenas um piso, à exceção da torre no lado direito, que se erguia mais um andar, embora o sótão também aparentasse ser espaçoso. Toda a frente da casa era ocupada por um enorme alpendre, cujo teto se apoiava em várias colunas de ferro fundido. Atrás dele, janelas ocupavam quase toda a parede, também elas de ferro fundido e decoradas com diversas formas.

Parei o carro em frente à escadaria que subia até à porta principal, onde me esperava Henrique e o resto da família Cerqueira.

– Seja bem-vindo à Vila Marta – disse Henrique, com um sorriso, quando subi as escadas.

Depois, apresentou-me a sua família. Entre crianças e adultos, estavam ali umas vinte pessoas.

Da entrada passámos para o vestíbulo, onde deixei o casaco, e dali para a sala de jantar. Lá, encontrava-se uma enorme mesa, com dez cadeiras de cada lado. Como convidado, deram-me um lugar no início da mesa, em frente a Henrique. À nossa direita, na cabeça da mesa, sentou-se a mãe de Henrique, a matriarca da família, enquanto que o resto da família se sentou nos restantes lugares, à esquerda.

Passado pouco tempo, uma empregada idosa, mais velha do que qualquer um dos comensais, começou a trazer travessas da cozinha. A conversa iniciou-se com as habituais trivialidades sobre emprego, família e até o tempo. Depois, desviou-se finalmente para o mundo paralelo ao nosso, de que toda a família tinha conhecimento. 

– Como encontrou o Bar das Fadas e todos os outros sítios que o Henrique me disse que visitou? – acabou por perguntar a matriarca.

Contei-lhe a história sobre como encontrei o caderno que me tinha levado àquelas descobertas.

– No nosso caso, é uma herança de família – explicou Henrique. – Ninguém sabe ao certo há quantas gerações temos esse conhecimento. 

A conversa passou a ser, então ,sobre criaturas estranhas e lugares escondidos da vista da maioria dos homens. Todos contribuíram com algo e fiquei a conhecer até coisas que não constavam do caderno.

O almoço estendeu-se quase até às quatro da tarde, hora a que os comensais se começaram a levantar. Henrique levou-me até à sala de estar, onde nos sentámos a beber um whisky mais velho do que eu. Através das amplas janelas, viam-se os vinhedos em frente à casa.

Por entre bebidas, Henrique contou-me como aquelas vinhas eram a origem da riqueza da família desde tempos imemoriais.

Foi então que reparei em algo peculiar.

– Onde estão os trabalhadores? – perguntei, estranhando a falta de movimento nos campos. – De certeza que precisam de muita mão de obra para manter um vinhedo tão grande.

– Aqui, o trabalho é feito de noite – explicou ele. 

– De noite? – perguntei, confuso. 

– Venha – pediu ele, levantando-se da poltrona.

Henrique levou-me para o corredor e, através dele, até ao andar térreo da torre. Lá, desviou uma estante cheia de livros, revelando um estreito túnel contendo uma escadaria que descia, em curva, até desaparecer de vista. Conduzido pelo meu anfitrião, desci até ao fundo, onde nos deparámos com uma porta de madeira e ferro que já devia ter décadas, se não séculos. Apesar da sua idade, Henrique abriu-a sem qualquer dificuldade, dando acesso a uma enorme cave que devia ocupar toda a área da casa. 

Atravessámos os estreitos corredores criados entre sacos de fertilizante, túneis e pipas de vinho, garrafas vazias e cheias e utensílios agrícolas até chegarmos ao lado da cave oposto àquele por onde entrámos. Lá, encontrámos uma parede interrompida apenas por uma porta gradeada. Foi até ela que Henrique me levou.

Quando espreitei por entre as grades, fiquei sem saber o que dizer. Do outro lado, encontrava-se um pequeno quarto do qual emanava um cheiro pungente. No meio do chão, quase às escuras, amontoavam-se dezenas de pequenas criaturas, que não teriam mais de um metro de altura. A sua pele era cinzento azulada, e cabelo negro, longo e emaranhado descia-lhes pelas costas. Garras terminavam-lhes os pés e as mãos. 

– Não se encontra mão de obra mais barata em lado nenhum – disse Henrique, claramente orgulhoso. – Um balde de carne cozida todas as noites e estão prontos para trabalhar. 

Não sabia como responder. Aquelas criaturas não eram humanas, bem sei, nem conhecia o seu nível de inteligência, mas, de qualquer forma, tudo aquilo me parecia errado. 

Henrique notou o meu desconforto e levou-me de novo para a sala, para acabarmos as nossas bebidas. Ainda lá fiquei durante quase mais uma hora. Pouco falámos. Por fim, desculpei-me que se estava a fazer tarde e deixei a quinta. 

A caminho de casa, não conseguia esquecer o meu desapontamento. Tinha encontrado alguém com quem podia falar daquele mundo oculto, mas ele usava esse mundo em proveito próprio.

Durante essa noite, mal dormi, pois não conseguia expulsar a imagem daquelas criaturas presas na cave. Mesmo no dia seguinte, durante o trabalho, não conseguia esquecer. Como tal, e apesar de estar sobrecarregado com trabalho, depois da hora de expediente fui até ao Bar das Fadas. Tinha esperança de encontrar Alice para lhe contar o que vira.

Abri a porta que dava acesso ao bar com cuidado. Não me queria deparar com Henrique Cerqueira. Felizmente, não havia nem sinal dele. Por outro lado, Alice estava sentada ao balcão quase no mesmo sítio onde a vi pela primeira vez. Aproximei-me e sentei-me no banco mesmo ao lado dela. 

– Olá – disse eu.

– Olá – respondeu ela sarcasticamente.

Claramente não havia esquecido a minha saída repentina da última vez.

Comecei a contar-lhe o que tinha visto na casa dos Cerqueira. Embora, a princípio, não se tivesse mostrado muito interessada, acabei por lhe captar a atenção. 

– Pelo que dizes, eles usam trasgos para trabalhar os campos. Não são das criaturas mais inteligentes, nem das mais agradáveis, mas não merecem ser tratados assim. Volta aqui logo à noite. Vou ver se encontro alguém para nos ajudar. 

Eu concordei. Depois de jantar, disse à minha mulher e filha que tinha de ir ao escritório trabalhar para poder sair sem levantar muitas suspeitas. De facto, não era propriamente mentira. Eu devia ter ido trabalhar essa noite, mas não podia deixar que os Cerqueira continuassem a abusar daquelas pobres criaturas.

Quando voltei ao Bar das Fadas, este estava quase vazio. Para além de um ou outro cliente solitário, encontrava-se lá um grupo de cinco criaturas, do qual Alice fazia parte. Ela chamou-me e pediu-me que contasse aos outros o que tinha visto. 

Enquanto contava, mais uma vez, o que vira na casa dos Cerqueira, observei os meus novos companheiros. Um deles, um homem, devia ser da mesma raça de Alice, pois tinha o mesmo cabelo branco, pescoço comprido e olhos felinos que ela. Outro, era pequeno, mal me chegava à cintura, e possuía uma pele amarela e laranja. Em contraste, a seu lado, encontrava-se uma mulher muito alta e esguia, de pele azul e olhos grandes, com vários desenhos negros na cara que não consegui perceber se eram naturais ou tatuagens. Por fim, numa mesa próxima, sentava-se uma diminuta criatura que se assemelhava muito à ideia popular da fada. Nas costas, cresciam-lhe asas semelhantes às de uma libélula, e pequenas escamas multicoloridas cobriam-lhe a parte de trás do pescoço e dos braços.

Quando acabei a minha história, todos prontamente concordaram em ajudar a libertar os trasgos. Em seguida, Alice liderou-nos até uma das portas que levavam aos túneis onde os das suas raças habitavam. Desde que descobrira o bar, que os queria visitar. Só gostava que as circunstâncias tivessem sido outras. 

A porta, após uma curta passagem, desembocava num túnel largo e alto com chão calcetado, paredes de granito e teto arqueado. Chamas azuis, que pareciam não emitir qualquer calor, ardiam em nichos nas paredes e iluminavam tanto ou mais do que luzes elétricas. Uma miríade de portas despontava em ambas as paredes. 

Durante o nosso percurso, passámos por várias curvas e bifurcações. Quanto mais avançávamos, maiores ficavam os túneis e maior era multidão que os percorria. Na superfície, só durante o Verão se via tanta gente. E nunca com aquela diversidade. Perdi a conta ao número de raças diferentes com que me cruzei.

Finalmente, descemos uma escadaria até uma enorme câmara retangular. Esta era atravessada, no seu centro, por uma vala que se ligava, em ambos os estremos, a túneis maiores do que qualquer um pelo que tínhamos passado.

Juntamente com outras criaturas, esperámos naquela plataforma. Uns dez minutos depois, uma luz surgiu no fundo de um dos túneis. Pouco depois, deste saiu uma gigantesca criatura, da altura da vala, e comprida o suficiente para ocupar todo o comprimento da câmara. Assemelhava-se vagamente a uma centopeia, com um corpo vermelho acastanhado e uma miríade de patas delgadas. Contudo, não possuía antenas, e a sua face tinha traços humanos. Sobre as costas da criatura, alinhavam-se seis carruagens de madeira. 

Através de uma tábua, subimos para uma destas carruagens e instalamo-nos nos bancos de madeira e ferro. Pouco depois, partimos, entrando no outro túnel alto que desembocava na câmara. Afinal, Braga tinha metro. Os habitantes da superfície é que não o conheciam.

Desembarcámos uns quinze minutos depois, numa câmara muito semelhante àquela onde entrámos. Subimos escadas e voltámos para um sistema de túneis. Este era muito mais pequeno do que aquele junto ao Bar das Fadas, com muitas menos portas e bifurcações. Por fim, chegámos a uma porta de metal guardada por uma criatura alta e musculada, que nos deixou sair. Estávamos, agora, numa exígua caverna natural, a qual só consegui percorrer caminhando de lado. Instantes depois, mais à frente, surgiu uma luz prateada. Após passar uma moita, que disfarçava a entrada, chegámos ao exterior.

Foi com alguma surpresa que, sob o luar, me apercebi que estávamos no vale dos Cerqueira, junto à fronteira entre este e o monte, não muito longe de uma das paredes da quinta. Seria por ali que Henrique acedia ao mundo escondido debaixo de Braga? 

Sem perder tempo, a pequena fada voou sobre o muro. Regressou uns cinco minutos depois.

– Os trasgos já estão a trabalhar – disse–nos. – E não estão sozinhos. Os Cerqueira têm Ogrons como capatazes.

– Quantos são? – perguntou Alice. 

– Não sei ao certo, mas não são muitos. 

– Então, vamos.

– Espera – disse eu. – Qual é o plano?

– Entrar ali e empatar os capatazes enquanto os trasgos fogem – respondeu Alice, sem parar. – Anda.

O muro que circundava a Vila Marta e os seus campos era de granito e tinha mais de dois metros de altura. Fossemos todos humanos, teríamos tido alguma dificuldade em subir. Felizmente, um dos meus companheiros tinha garras retrácteis, pelo que chegou ao topo com relativa facilidade. Depois, ajudou-nos a passar para o outro lado.

Não havia iluminação naqueles socalcos, e era uma das últimas noites de quarto minguante, pelo que estava escuro. Não conseguia ver nada para além das silhuetas difusas dos vinhedos e dos postes que a suportavam.

– Não vejo nada – disse aos meus companheiros. 

– Nós vemos – disseram a fada e a criatura que nos ajudara a entrar quase em uníssono. 

– Vamos – disse Alice.

Comigo a seguir os outros cegamente, subimos até ao primeiro socalco. Escondemo-nos atrás de um muro circular, que devia pertencer a um poço, e olhámos atentamente para cima. No socalco seguinte, conseguíamos ver várias silhuetas por entre as vinhas, a maioria pequenas, mas uma delas excecionalmente grande, provavelmente o capataz. 

Alice pousou-me uma mão no braço. 

– Tu não vês bem no escuro, por isso vais ajudar-me com aquele capataz. Os outros tratam dos socalcos mais acima.

Prontamente concordei. Agachados, subimos a rampa de terra que levava ao socalco seguinte. Então, eu e Alice separámo-nos dos outros. Tentámos aproximarmo-nos sem ser vistos, usando os postes como esconderijos, porém, a visão noturna do capataz também devia ser melhor do que a minha, pois prontamente emitiu um temível urro e avançou para nós.

Alice puxou-me e, juntos, lançámo-nos contra ele. A princípio, o ser resistiu à nossa investida, mas acabámos por  atirá-lo ao chão. Enquanto mantínhamos o capataz preso contra o chão, Alice gritou, na direção dos trasgos:

– Fujam! Saiam daqui!

As criaturas hesitaram um momento, mas logo se puseram em fuga, descendo a parede que suportava o socalco como se fossem gatos.

O ogron continuava a debater-se e a gritar. Alice deu-lhe um murro e, quando este não resultou, outro e mais outro e ainda outro. A criatura continuava a mexer-se, pelo que não tinha perdido a consciência, mas já não se debatia.

– Acho que já podemos ir – disse Alice. 

Quando chegámos à rampa por onde havíamos subido, vimos as silhuetas dos nossos companheiros a correr vindos dos socalcos mais altos, acompanhados por pequenas formas que só podiam ser trasgos. Atrás deles, ouvi a voz de Henrique e de passos pesados. Tínhamos sido descobertos e estavam a chegar reforços.

Corremos de volta para o muro, os trasgos, na sua ânsia por liberdade, ultrapassando-nos e chegando ao exterior antes de nós começarmos sequer a trepar.

Depois de deixarmos o terreno dos Cerqueira, não vimos nem ouvimos mais nenhum sinal de perseguição. Ainda assim, só parámos de correr quando entrámos nos túneis que levavam ao comboio vivo. Para onde tinham fugido os trasgos, não sabíamos, nem se tínhamos conseguido libertar todos. Também não valia a pena pensar nisso. Depois daquela noite, os Cerqueira iam ficar de sobreaviso. Nunca mais íamos conseguir salvar mais ninguém da sua quinta

Anúncios

Capítulo 2 – O Bar das Fadas

No dia a seguir a ter encontrado o diário, as histórias que este continha não me saíam da cabeça.

Depois de sair do trabalho, a minha curiosidade levou-me a melhor, como habitual, e decidi visitar um lugar chamado no livro de Bar das Fadas, que não ficava muito longe do meu escritório. Segundo o que eu lera, este situava-se junto ao Arco da Porta Nova, em Braga, debaixo de uma loja que já albergara vários negócios e que era agora uma pastelaria. 

À primeira vista, era semelhante a todos os outros negócios do seu tipo, com uma pequena esplanada na rua, uma vitrine cheia de bolos e outras doçarias e um balcão com uma máquina de café e outra parafernália que se encontrava em qualquer snack bar.

Entrei, sentei-me numa das mesas, entre outros três clientes, e pedi um chá e um bolo. Queria ganhar tempo para estudar o local mais atentamente e ver se havia um fundo de verdade no que lera no diário. De facto, a porta que supostamente dava acesso ao Bar das Fadas estava no sítio esperado, mas podia ter sido apenas uma coincidência ou inspiração.

Durante o tempo que estive ali sentado, não aconteceu nada de extraordinário. Pareceu-me, em tudo, uma pastelaria normal. Por fim, impaciente, paguei e dirigi-me à casa de banho, que ficava pouco depois da porta misteriosa. Porém, ao passar junto desta, ignorei a placa vermelha que dizia “Acesso Restrito” e abri-a. Do outro lado, encontrei uma escadaria que descia até se perder na escuridão.

Não entrei de imediato. Estava à espera que alguém me chamasse à atenção, que me dissesse que não podia estar ali. Contudo, ninguém o fez, e comecei a descer. 

Uns dez degraus depois, a porta fechou-se atrás de mim, deixando-me às escuras. Não tinha planeado aquela visita, pelo que não tinha comigo a minha fiel lanterna. Tive de recorrer à do telemóvel.

Desci durante o que me pareceram longos minutos. Finalmente, cheguei ao fundo, onde encontrei uma segunda porta. Esta em pouco diferia da primeira. Até tinha uma placa vermelha a dizer “Acesso Restrito”. Mais uma vez, ignorei-a e abri a porta. Esse instante foi o mais importante de toda a minha vida. Na altura não o sabia, mas o meu mundo, o meu universo, nunca mais seria o mesmo, pois foi então que percebi que tudo o que estava no caderno que havia encontrado era verdade. 

Do outro lado da porta, havia um bar, como tinha lido. A decoração era moderna, com cadeiras e mesas de metal e vidro e paredes brancas, lisas e limpas. Contudo, era aí que terminavam as semelhanças com os bares da superfície.

A sua clientela era formada por estranhos seres, alguns dos quais nem nos meus sonhos mais estranhos havia imaginado.

Muitos eram humanoides, embora os mais baixos nem me chegassem aos joelhos e os mais altos tivessem o dobro da minha altura, com tons de pele que variavam do branco mais alvo ao negro mais escuro, passando pelo cinzento e o roxo. Garras, chifres e espigões também eram comuns. 

Depois havia aqueles que eram quase impossíveis de descrever. Massas de tentáculos com um pequeno corpo esférico entre eles; misturas de diversos animais; corpos longos com múltiplas pernas. 

Em grupos, os clientes conversavam e consumiam o conteúdo de copos em forma de lágrima, que consistia, exclusivamente, num líquido límpido como a água.

O nome Bar das Fadas devia ter sido um nome criado pelo autor do diário, pois a maioria daquelas criaturas não se adaptava à imagem popular das fadas (embora houvesse ali alguns seres humanoides diminutos com asas de inseto). 

Pelo que havia lido, o meu predecessor não ficara muito tempo no bar nem tentara conversar com os clientes. A minha curiosidade, porém, era mais forte do que a dele. 

A medo, atravessei o bar até ao balcão. Como o resto da mobília, este era feito de metal e vidro, porém, atrás dele, não haviam prateleiras com filas de garrafas, como estava habituado a ver. De facto, a bebida parecia ter uma só origem: do teto, jorrava um fio de água que caía numa conduta de pedra, sobre o balcão, e a levava até junto do empregado.

Sentei-me num banco alto e olhei de novo em volta. Ninguém parecia ter reparado em mim, ou, pelo menos, não me deram importância.

O empregado pousou um copo à minha frente, cheio da estranha água. Não disse nada, nem sequer perguntou o que eu queria. Não que houvesse grande escolha.

Embora fosse uma criatura intimidante, com pequenos chifres que lhe coroavam a cabeça e incisivos que não lhe cabiam totalmente na boca, tentei meter conversa:

– Isto costuma estar sempre assim tão cheio?

Não me respondeu. Simplesmente virou costas e foi servir outro cliente.

– O Miguel não é muito falador – disse uma voz feminina ao meu lado. 

Virei-me e vi uma mulher muito pálida, com cabelos brancos e várias argolas prateadas nas orelhas e na cara. Tinha um pescoço longo, com o dobro ou o triplo do tamanho do de um humano, decorado com um torque de ouro. Os seu olhos eram grandes e felinos, mas possuía um nariz pequeno e discreto. 

– Miguel? – perguntei. – É assim que ele se chama? 

– Que esperavas? – respondeu ela. – Gorash ou um desses nomes ridículos que vocês dão aos das nossas raças nas vossas histórias? 

Confesso que não sabia o que responder. Senti-me, até, um pouco envergonhado. Felizmente, ela mudou de assunto.

– Não se veem muitos da tua raça por aqui. 

-Não sabia. É a primeira vez que aqui venho. 

Ela pousou uma mão no meu antebraço. 

– Sabes, sempre senti curiosidade pela tua raça.

– E eu tenho curiosidade nas vossas. 

– Posso responder a qualquer pergunta que tenhas – ronronou-me ao ouvido.

As intenções dela eram claras, contudo, não conseguia deixar escapar aquela oportunidade para começar perceber aquele mundo que eu acabara de descobrir.

– Chamo-me Alice, já agora. 

Disse-lhe o meu nome. 

– Acho curioso que ninguém tenha estranhado a minha presença, se não aparecem muitos da minha raça por aqui.

Ela sorriu.

– Não aparecem muitos, mas aparecem alguns. Pelo menos, nós vemos mais de vocês, do que vocês de nós.

– Por quê? Qual é a razão para vocês se esconderem de nós? Porque não vivem abertamente connosco? 

– Para ser honesta, não faço ideia. Acho que é uma coisa cultural. Sempre nos mantivemos afastados dos humanos. E aquela vossa Organização também não ajuda. 

– Organização? 

– Sim. Sempre que um de nós aparece no vosso mundo, por acidente ou não, ou sempre que um humano que nos conhece tenta revelar a nossa existência, a Organização aparece para ocultar e encobrir tudo. Juro que, às vezes, parece que eles têm mais medo que os humanos descubram a nossa existência do que nós.

Foi uma revelação curiosa. Havia uma organização dedicada a evitar que o público em geral tomasse conhecimento daquele mundo que eu acabara de descobrir. Contudo, a sua existência revelava que havia mais intersecções entre os dois mundos e mais humanos a saberem destas criaturas do que eu, a princípio, imaginara.

– Não bebes? – perguntou-me ela, apontando para o copo cheio da estranha água à minha frente. 

Com a conversa, tinha-me esquecido completamente da minha bebida. A medo, bebi um gole. Não me pareceu particularmente boa. Sabia a água, mais leve do que estava habituado a beber, mas, ainda assim, água. Temendo que me estivesse a escapar algo, bebi o resto do copo, mas o sabor continuava o mesmo, e não senti nenhum efeito adicional. 

Alice notou o meu desapontamento. 

– Acho que tens de ser um de nós para sentir o efeito da água. Vem de uma fonte muito antiga, com propriedades especiais. Um gole basta-nos para nos sentirmos mais calmos e desinibidos. É por isso que me podes encontrar aqui todos os dias. Se quiseres. 

Mais uma vez, tocou-me no braço. 

– E se fôssemos para um sítio mais privado esclarecer as minhas curiosidades sobre a tua raça? Não moro muito longe. 

Confesso que me senti tentado, mas não pelas razões mais óbvias. Queria saber mais sobre aqueles seres e a sociedade em que viviam. Além disso, durante a conversa, tinha reparado em várias outras portas além daquela por onde entrara, e cada uma parecia dar acesso a um túnel. Devia ser neles que aquelas criaturas viviam, e o explorador urbano em mim queria desesperadamente explorá-los.

Contudo, tinha de pensar que era um homem casado e com uma filha. Era melhor não me pôr no caminho da tentação. Além disso, já tinha descoberto tanto naquele dia que não sabia se aguentava mais emoções. Deixar os meus sentimentos quanto à descoberta daquele mundo assentarem e depois voltar pareceu-me melhor ideia. Afinal, o simples facto de eu estar ali rodeado por seres que não deviam existir era suficiente para me fazer questionar tudo o que acreditava e sabia sobre o Mundo e a vida.

Para surpresa de Alice, desculpei-me que se estava a fazer tarde e que tinha a minha mulher à espera. A princípio, insistiu para que fosse com ela, mas acabou por me deixar ir. Voltei para a pastelaria à superfície e para as ruas de Braga. 

Não fui imediatamente para casa. Estava demasiado entusiasmado com o que acabara de descobrir. Durante mais de uma hora, deambulei pela cidade pensando naquele novo mundo, em todas as questões que a sua existência levantava e em futuras explorações a outros sítios mencionados no caderno. Hoje, lamento não me ter conseguido controlar, não ter simplesmente esquecido o que havia visto e continuado com a minha vida normal.