Capítulo 5 – O Culto

Aproveitando que estava a passar as férias de Natal com a minha mulher e filha em casa dos meus avós, em Viana do Castelo, decidi explorar outra das entradas do diário que encontrara.

Desta vez, a minha curiosidade incidiu sobre um local importante da minha infância. Desde pequeno, ouvi o meu pai e o meu avô contarem histórias sobre as ruínas do convento de São Francisco. Entre elas, destacava-se um já antigo rumor de que o local era usado para estranhos rituais popularmente conhecidos como macumba. Nunca tinha encontrado nenhumas provas de tal, nem sequer alguém que dissesse ter assistido, até que, ao ler o diário, encontrei uma entrada que referia um culto que se reunia no convento.

Como habitual, a timidez do meu antecessor não lhe permitira assistir a todo o ritual, e ele apenas vira uma pequena parte através das grades do portão. 

Usando de novo a desculpa de que ia visitar um velho amigo, na noite da primeira segunda-feira após o Natal, dia da semana em que o diário dizia que o culto se reunia, encaminhei-me para o convento. Quando era miúdo, este ficava no meio do monte e era preciso uma longa caminhada para lá chegar, pelo que fiquei surpreendido ao ver que agora havia urbanizações quase até ao primeiro portão.

Estacionei nas traseiras de uma destas novas casas, liguei a lanterna e encaminhei-me para o monte. Após passar uma área de terra revirada, certamente um resquício da construção da urbanização, cheguei ao portão que, em tempos, protegia o caminho que subia até ao convento. Deste apenas restava parte do portal, já que uma das colunas havia caído ou sido derrubada. 

Mal o atravessei, vi-me rodeado por eucaliptos, austrálias e o ocasional pinheiro. A floresta, agora, tinha ali o seu início.

Comecei, então, a subir o caminho. A tosca calçada, formada por pedras grandes e irregulares, não era fácil de subir, mesmo com a ajuda da lanterna. Tropecei várias vezes. Felizmente, já não chovia há algum tempo, ou as lisas pedras estariam impossivelmente escorregadias.

A meio da subida, pouco antes de uma curva apertada, encontrei um velho cruzeiro. Este mostrava sinais de cinzas e fumo. Se estes se deviam ao culto que eu estava ali para investigar ou a uma causa mais mundana, não sei dizer. 

Finalmente, depois da curva, cheguei ao troço final da subida. Pouco depois, a minha lanterna iluminou o alto portão do convento propriamente dito. Um arco suportando as estátuas de três santos albergavam-no, e uma parede com mais de dois metros partia dele. A um visitante casual, pareceria não haver forma de entrar, pois um cadeado fechava o portão, mas eu não era um visitante casual.

Ao lado do portão, havia uma subida muito íngreme, quase vertical, onde alguém havia amontoado pedras e escavado degraus. Subi-a sem grande dificuldade e entrei num estreito carreiro que penetrava a vegetação cerrada. Avancei durante algumas dezenas de metros, a parede do convento à minha direita. Aqui e ali, havia pequenas falhas, mas nenhuma grande o suficiente para eu passar.

Finalmente, cheguei ao local que procurava: uma segunda entrada que dava acesso a uma escadaria que descia até ao terreiro do convento. Em tempos, devia ali ter existido um portão, mas este seria anterior às minhas primeiras visitas.

Entrei e, por fim, desci até ao convento propriamente dito. Com a lanterna, varri os edifícios em volta. Embutidas na parede que separava o terreiro do terreno elevado e do carreiro, encontravam–se duas pequenas capelas. Não tinham porta e estavam vazias, a não ser por trepadeiras e mato, e os seus telhados de pedra estavam partidos e esburacados. No lado oposto, erguiam-se as ruínas dos edifícios principais do convento: a igreja e as áreas de habitação e trabalho. 

Contudo, não entrei de imediato. Primeiro, dirigi-me à base do cruzeiro no centro do terreiro. A cruz em si já lá não se encontrava, mas a base vagamente piramidal formada por quatro camadas de pedra sim. Segundo o meu antecessor, era nela que o culto realizava os seus rituais. De facto, as marcas estavam lá. Havia manchas vermelhas escuras por todo o lado. Aqui e ali, viam-se penas, certamente pertencentes a galinhas usadas em sacrifícios. 

Com provas tão claras de que realmente se passava algo ali, entrei nas ruínas dos edifícios em busca de um local para me esconder e esperar pelo aparecimento dos cultistas. Segundo o diário, eles só apareciam depois da uma da manhã, pelo que ainda tinha bastante tempo. Aproveitei para visitar o local e ver o que tinha mudado desde a minha anterior visita, mais de vinte anos antes. 

A primeira coisa que me saltou à vista foi que os resquícios do soalho do andar superior, que eu ainda vira em criança, tinham apodrecido completamente. De facto, o único sinal de que alguma vez houvera um andar superior eram as escadarias que não levavam a lugar nenhum e as paredes parcialmente ruídas, mas anormalmente altas para um edifício térreo.

Após visitar a antiga cozinha, com a sua enorme lareira e pia decorada de calcário, encaminhei-me para a igreja. Esta já há muito perdera o telhado, embora o enferrujado candelabro, preso às paredes por cabos metálicos igualmente corroídos, ainda se mantivesse no seu sítio. Do altar nada restava, assim como de qualquer outro elemento decorativo. Tive alguma dificuldade em atravessá-la até à entrada principal. As lajes tumulares que, quando eu era miúdo, cobriam o chão tinham sido arrancadas, deixando enormes buracos difíceis de transpor.

Quando cheguei ao pequeno adro de terra batida, encontrei as lajes amontoados num canto, algumas inteiras, outras partidas, nas quais ainda se conseguiam ver gravados os nomes e as datas de morte e nascimento dos sepultados.

Passei, então, para o claustro. Como os soalhos de madeira já haviam desaparecido, este encontrava-se totalmente a descoberto. No seu centro, o pequeno espaço reservado para o jardim dos monges estava, agora, cheio de silvedos. Algumas das colunas que o delimitavam e que outrora seguravam o teto tinham tombado, se por ação dos elementos ou vandalismo, não tenho como dizer.

Foi, então, que avistei o sítio perfeito para me esconder: a velha torre sineira. Do interior, não havia maneira de lhe aceder, pois a porta ficava no segundo andar junto a um chão que já lá não se encontrava. Saí para as traseiras do convento, onde se encontravam os acessos ao monte e aos campos, alguns pequenos edifícios de apoio e, claro, a base da torre. Depois de a circundar, encontrei uma pequena entrada secundária com menos de um metro de altura. Tive quase de me arrastar, mas acabei por conseguir entrar. 

Como acontecera aos soalhos, as escadas haviam–se desintegrado. Felizmente, a torre era estreita, pelo que, pressionando as costas, os pés e os braços contra as paredes, consegui, com muito esforço, chegar ao topo. Tinha, agora, uma visão privilegiada de todo o convento, principalmente do terreiro onde o culto supostamente se reunia, e duvidava que alguém me avistasse ali.

Desliguei a lanterna. Ainda não era sequer meia-noite, mas temia que os cultistas aparecessem mais cedo ou que vissem a luz à distância.

Já estava à espera há quase duas horas, quando comecei a ouvir um cântico vindo do fundo do caminho que me levara ali. Pouco depois, detrás da curva, surgiu uma luz alaranjada. Fixei lá o meu olhar, pois sabia que estava prestes a ver o que tinha ido ali procurar. 

De trás da curva, surgiu uma fila de pessoas, todas elas segurando candeias. Algumas também traziam sacos de pano, no interior dos quais algo se movia.

Confesso que fiquei surpreendido e até algo desiludido. Talvez por influência do cinema e da televisão, esperava figuras encapuçadas com longas vestes negras. Contudo, tratavam-se de pessoas normais envergando roupas do dia a dia.

Os cultistas subiram até ao portão e, então, tomaram o mesmo carreiro que eu usara para entrar. Passado pouco tempo, estavam todos no terreiro, em volta da base do cruzeiro. Não se ouvia nada, a não ser os cânticos e o cacarejar das galinhas nos sacos.

De repente, as vozes silenciaram-se. Um dos cultistas, um homem de cabelo longo e desgrenhado, subiu ao altar improvisado e começou a entoar um novo cântico, desta vez a plenos pulmões. Ao fim de alguns minutos, um dos outros cultistas abriu o saco e passou uma galinha ao sacerdote. Este, com uma pequena faca que tirou do cinto, cortou a garganta ao animal e deixou o sangue escorrer sobre as pedras. 

Isto repetiu-se durante uma meia hora, até que todos os sacos se encontraram vazios. Depois, os cultistas emitiram um grito em uníssono. O chão começou a estremecer. Aos poucos, uma falha abriu-se no chão em frente do altar improvisado. Um brilho vermelho alaranjado projetava-se dela. Era como se se tratasse de uma passagem para o próprio Inferno.

Os cultistas olharam para ele, como se hipnotizados, durante alguns momentos, até que um gigantesco punho vermelho, maior do que uma pessoa, saiu dele. Perante o olhar expectante do culto, a mão abriu-se, libertando cerca de uma dezena de estranhos seres humanoides. Estes eram pequenos, com cerca de meio metro de altura, e estavam cobertos por uma curta pelagem negra. Dois diminutos chifres coroavam-lhes a cabeça, que também apresentava focinhos afiados e dentes pontiagudos. 

Com grande entusiasmo, os cultistas correram atrás destes mafarricos, apanhando-os e enfiando-os nos sacos onde tinham trazido as galinhas. Ao mesmo tempo, a mão desapareceu, voltando ao abismo, e, assim que o último mafarrico foi apanhado, a falha fechou-se.

Satisfeitos, os cultistas voltaram pelo mesmo caminho por onde tinham vindo, desta vez em total silêncio. Nem os mafarricos, enfiados nos sacos, faziam qualquer ruído.

Deixei a luz das candeias desaparecerem atrás da curva no caminho e ainda esperei uma meia hora depois disso antes de descer do meu esconderijo e voltar para o carro. 

Apesar de ser a primeira entrada do diário que eu investigava que envolvia humanos, foi provavelmente uma das que me deixou com mais perguntas. Quem eram aqueles cultistas? Que iam fazer com os mafarricos? A quem pertencia a mão que os trouxera?

Fui a pensar nisso até casa e até perdi o sono nessa noite. As possibilidades causavam-me arrepios. Só obteria as respostas muito depois, mas estas superariam tudo o que conseguia imaginar.

Anúncios

Capítulo 3 – A Procissão das Almas

Após a minha descoberta do Bar das Fadas, e ter confirmado que o relato no diário que havia encontrado não era apenas ficção, não conseguia deixar de pensar nisso. A minha mulher, os meus amigos, até os meus colegas de trabalho, repararam que eu andava mais distraído. Porém, eu tinha decidido não contar nada a ninguém. Naquela altura, não tinha a certeza como aquele conhecimento nos podia afetar e, além disso, temia que os pudesse por em perigo. 

Como tal, tive de esperar algum tempo até ter uma oportunidade de embarcar noutra exploração sem levantar suspeitas. Esta surgiu quando a minha sogra ficou doente e a minha mulher, juntamente com a nossa filha, foi tomar conta dela.

Depois do encontro com Alice, quis deixar passar algum tempo antes de voltar ao Bar das Fadas, pelo que decidi explorar outro local. Após reler mais uma vez algumas das entradas do diário, decidi viajar até ao Gerês e visitar uma aldeia abandonada na serra onde, supostamente, durante a noite, os mortos se levantam do cemitério e partem numa procissão pelas encostas e vales.

Saí de casa ainda de dia, porém, quando entrei na estrada que subia a montanha, o Sol já se havia posto. Apesar de as encostas mais elevadas do Gerês não terem muitas árvores, a escuridão tornava difícil encontrar a aldeia, mesmo com a ajuda de um GPS. Finalmente, decidi parar num pequeno espaço na berma da estrada, junto ao ponto onde a aldeia supostamente ficava.

Saí do carro e comecei a procurar a pé. Com a ajuda da lanterna mais poderosa que tinha, encontrei as ruínas que procurava, situadas um pouco abaixo de onde havia estacionado. 

Os telhados já haviam ruído, assim como muitas paredes e soalhos de madeira. Por todo o lado, vigas tombadas erguiam-se no céu noturno, como costelas de gigantescos animais.

Com a ajuda da lanterna, procurei a melhor maneira de descer. Não havia propriamente um trilho, mas, entre os penedos e as moitas de silvas, consegui encontrar uma passagem. 

Após vários tropeções e escorregadelas, evitando, por pouco, algumas quedas aparatosas, cheguei à aldeia abandonada. As suas ruas de terra batida, já de si estreitas e obstruídas com rochedos, estavam cobertas de escombros, silvedos e erva, tornando o avanço bastante difícil. O silêncio da noite era apenas quebrado pelo som de animais a rastejarem para longe e o pio das corujas que se refugiavam nas ruínas. 

Finalmente, cheguei ao que restava da igreja local. O topo da torre sineira já havia caído, assim como o telhado, contudo, a fachada parecia intacta, embora um nicho vazio sobre a porta me fizesse suspeitar que tivesse ali existido a estátua de um santo, agora desaparecida. Teria sido, certamente, roubada por alguém para depois vender.

Ao lado da igreja, rodeado por uma baixa parede de pedras soltas, encontrei o lugar que procurava: o cemitério. Segundo o diário, era dali que os espíritos dos mortos partiam na sua procissão noturna.

Lápides de pedra partidas e gastas, ocupavam o local, juntamente com pedaços de madeira apodrecida que, em tempos, teriam sido cruzes. 

Sentei-me do lado de fora, encostado ao muro, e esperei pela meia-noite, a hora a que o meu antecessor registou ter começado a ver os fantasmas. Estávamos no fim do Outono, pelo que o frio já apertava nas montanhas. Em parte, ainda bem, pois foi apenas graças a ele que não adormeci. 

Quando a hora, finalmente, chegou, não fiquei desapontado. No preciso instante em que o relógio do meu telemóvel marcou meia-noite, olhei para as campas. Sobre estas, começaram a formar-se vultos. A princípio, eram praticamente invisíveis, mas, aos poucos, começaram a tomar uma forma branca e translúcida. Tratavam-se de pessoas envergando versões fantasmagóricas das roupas, chapéus e lenços típicos daquela região até muito recentemente.

Conforme iam tomando as suas formas finais, os espíritos deixavam o cemitério e começavam a descer a encosta, enquanto, sobre as campas, novos vultos se formavam. Deixei que todos se juntassem à procissão, antes de começar a segui-los. 

Desci a encosta por um carreiro, atravessei uma velha ponte de pedra e até caminhei por uma geira romana. Os fantasmas percorreram quilómetros de terreno, durante quase duas horas. 

De súbito, a norte, avistei uma fila branca que descia outra encosta como uma gigantesca serpente albina. Não tardei a aperceber-me de que que se tratava de outra procissão de almas.

Mais três surgiram pouco depois, saídas de vales e montanhas, e, uma a uma, juntaram-se, continuando a avançar para este. Mais do que a uma procissão, agora assemelhavam-se a uma coluna militar. 

Então, para minha surpresa, os mortos começaram a voltar ao solo. Pouco a pouco, foram desaparecendo para debaixo de terra, até nenhum se encontrar à superfície. Estava novamente sozinho, na escuridão das montanhas, com a minha lanterna. 

Aproximei-me do sítio onde os fantasmas tinham desaparecido e procurei, sem grande esperança, por alguma maneira de os seguir. Após quase meia hora, encontrei um buraco no chão, grande o suficiente para eu conseguir passar. Apontei a lanterna lá para dentro. Não era particularmente fundo, tinha apenas uns cinco metros, e pareceu-me ver uma caverna que partia dele em direção a oeste. 

Não tinha comigo equipamento de escalada, mas a parede do buraco tinha apoios suficientes para eu conseguir descer sem grandes dificuldades. Em poucos minutos, cheguei ao fundo e confirmei que, realmente, havia uma caverna. Apontei a lanterna para o seu interior e vi que se alongava por uma centena de metros, até chegar a uma curva e mudar de direção. 

Cuidadosamente, pois não sabia como os mortos iam reagir caso me encontrassem ali, adentrei-me na caverna. Cheguei à curva sem qualquer percalço, porém assim que a dobrei, dei de caras com dois fantasmas. Apesar do meu cuidado, eles avistaram-me imediatamente. Afinal, sem a luz da lanterna, não conseguia ver nada ali, mas esta denunciava-me claramente. 

Olhei para trás, pensando em fugir, mas nunca conseguiria subir até à superfície antes de eles me alcançarem.

Os fantasmas aproximaram-se lentamente e com cuidado, como se não me quisessem assustar. Embora estivesse desconfiado, esperei por eles. Não pareciam agressivos.

Um deles segurava uma vela, que estendeu na minha direção quando chegou junto a mim. A medo, peguei nela. No instante em que a agarrei, transformou-se numa tíbia humana. Surpreso, larguei-a e recuei alguns passos. 

Os dois fantasmas começaram a rir às gargalhadas. 

– A cara dele – disse um dos espíritos.

Durante alguns instantes, fiquei a olhar para eles, atónito. 

– Desculpa lá, amigo, mas não resisti – disse-me o fantasma que me dera a vela. 

– Quem são vocês? – perguntei.

– Os espíritos dos mortos, claro. Nem todos temos a sorte de descansar em paz. 

Pareciam amistosos, pelo que decidi continuar a fazer perguntas:

– Porque vêm para aqui? Porque não ficam junto dos vossos cemitérios? 

– Porque, no fundo deste túnel, fica a nossa cidade. Nós só ficámos para trás porque te vimos a seguir-nos e decidimos divertir-nos um bocado – disse o fantasma da vela, sorrindo.

– Cidade?! – disse eu, admirado. – Os mortos têm uma cidade? 

– Claro – respondeu o outro fantasma. – Vamos andar por aqui para sempre. Precisamos de um sítio onde afastar a pasmaceira. Anda, nós mostramos-te, como compensação pelo susto.

Segui-os através do túnel durante uns quinhentos metros, passando por diversas curvas. Por fim, chegámos a uma caverna gigantesca, maior do que qualquer outra que eu tinha visto antes. 

Encontrávamo-nos numa saliência em uma das paredes, mas a caverna prolongava-se várias centenas de metros para baixo, o seu fundo sendo apenas visível graças à pálida luminosidade emitida pelos fantasmas.

Havia muitas mais saliências nas paredes para além daquela onde me encontrava. Nas maiores, erguiam-se edifícios de todos os períodos históricos de Portugal. Assombrado, avistei casas circulares castrenses, vilas romanas, casebres medievais, casas de campo, prédios pombalinos e, até, um grande condomínio de múltiplos andares, entre outros. Nada ligava as saliências umas às outras, pois os fantasmas flutuavam entre elas. 

Ao contrário do que acontecera no Bar das Fadas, a minha presença na Cidade dos Mortos não passou desapercebida. Todos os fantasmas que passavam olhavam para mim com um misto de curiosidade e surpresa. 

– Já há muito que não vinha aqui um vivo – disse a criatura que me dera a vela. 

– Nunca ouvi falar que já tivesse acontecido antes – comentou o outro. 

De súbito, do fundo da caverna, surgiu um outro espírito, com ar zangado. 

– O que é que vocês, seus idiotas, fizeram? Trazem um vivo para aqui, ainda por cima agora, com estes desaparecimentos todos? 

– Desculpe Sr. Presidente – disseram os dois fantasmas em uníssono, olhando para o chão, como duas crianças admoestadas. 

– Desaparecimentos? – perguntei eu, curioso. 

– Sim, nos últimos meses têm desaparecido alguns fantasmas – disse o espírito que me dera a vela. 

– Nunca aconteceu antes – comentou o outro. – Os mortos sempre aumentaram, nunca diminuíram. 

– Vocês são capazes de estar calados! – gritou o presidente.

Virou-se, então, para mim. 

– E quanto a ti, sai daqui enquanto podes. E nem penses em voltar. Vamos mudar a entrada de sítio. 

O tom do presidente não deixava espaço a discussão, e fiz o que ele disse.

No caminho de regresso ao carro e, depois, enquanto conduzia para casa, uma pergunta não me saía da cabeça: como podiam os mortos estar a desaparecer? Depois da minha visita ao Bar das Fadas e de uma leitura mais atenta do diário que encontrei, a existência de fantasmas, ou, até, da sua incrível cidade, não me surpreenderam particularmente, mas essa questão fazia com que arrepios me subissem pela espinha. Na altura, não percebia bem porquê, contudo, acabaria por descobrir. 

Capítulo 1 – O Livro

A história de como conheci as Bruxas da Noite é longa e atribulada. Contá-la de forma a que todos entendam implica explicar o mundo paralelo ao nosso, que a maior parte das pessoas não sabe que existe. Como tal, vou começar pelo que, para mim, foi o início: o evento que me deu a conhecer esse mundo.

Desde novo que tenho interesse pela exploração urbana. Aos treze anos, juntei-me ao grupo de Braga e, durante os anos que se seguiram, explorei as ruínas de solares, fábricas, mosteiros e muitos outros edifícios interessantes. Porém, só quando já estava na casa dos trinta é que me atrevi a fazer uma exploração sozinho.

Foi a uma casa na freguesia de Palmeira, nos arredores de Braga, que eu havia descoberto durante uma das muitas visitas ao Palácio da Dona Chica que o grupo organizara. Apesar de eu ter chamado atenção para ela, mais ninguém mostrou interesse em explorá-la. Era uma casa pequena, só com rés-do-chão, e com nada que a distinguisse daquelas que a rodeavam. Mas algo nela me chamava. Talvez por me fazer lembrar da casa da minha bisavó, ou porque era antiga que chegue para conter testemunhos da vida de outrora, que não se encontram em nenhuma casa moderna.

Fosse porque fosse, numa tarde de domingo morrinhosa, quando a minha mulher foi visitar os pais com a nossa filha, conduzi até à velha casa. Tendo cuidado para os vizinhos não me verem, entrei por uma janela cujos vidros e persiana haviam sido partidos por vândalos.

Do outro lado, encontrei o que seria de esperar: uma sala cheia de vidros partidos, seringas e mobília destruída. Tudo o que teria algum valor, já havia há muito sido saqueado. Ainda assim, não me detive. Cuidadosamente, temendo encontrar alguma pessoa menos recomendável, continuei a explorar a casa.

Entrei no corredor, que dava acesso a mais duas divisões. Passando por cima dos restos partidos de portas, entrei no quarto, onde o cenário não era muito melhor do que na sala. Na janela, agitados pelo vento, dançavam os farrapos que restavam de umas cortinas em croché. Roupa cobria quase todo o chão, de vestidos negros a chapéus de feltro, claramente arrancada do armário apodrecido e descartada por não ter qualquer valor. Curiosamente, e apesar do interesse que os antiquários costumam ter em tais peças, uma cama de ferro, cuja pintura branca já tinha sido quase inteiramente substituída por ferrugem, ainda se encontrava na divisão, mas virada e atirada para um canto. O colchão havia sido retirado e posto no chão, encostado à parede. Estava coberto de manchas vermelhas, amarelas e brancas, e senti um arrepio ao pensar em tudo o que podia ter ali acontecido.

Passei, então, para a divisão que restava, a cozinha. O chão estava pejado de loiça partida, e os armários, escancarados e vazios. Tudo o resto havia sido levado.

Desanimado, preparei-me para voltar para casa. Infelizmente, não havia ali nada de interesse. Os outros do grupo de exploradores urbanos tinham razão.

Ia deixar a cozinha, quando um brilho metálico chamou a minha atenção para a diminuta dispensa. Lá, por entre prateleiras partidas e restos nauseabundos de comida apodrecida, encontrei uma porta. O brilho pertencia a uma primitiva fechadura de trinco, que abri imediatamente. Do outro lado, encontrei uma escadaria de pedra que descia para a escuridão. Como era meu hábito quando explorava uma estrutura, tinha levado uma lanterna comigo. A sua luz revelou uma cave no fundo das escadas, aparentemente intocada pelos vândalos. Talvez a falta de luz natural os tivesse mantido afastados.

Degrau a degrau, pois não sabia o que me esperava nem tinha certezas quanto à robustez das escadas, desci. No fundo, encontrei uma verdadeira cápsula do tempo do Portugal do meio do século passado.

Num canto, vi uma antiga máquina de costura manual, ainda com o pedal e a correia que transmitia o movimento até à agulha. Numa mesa mesmo ao lado, ainda repousava um ferro de engomar a carvão. Quase que ainda conseguia ver o fumo a sair da sua pequena chaminé.

No outro lado da cave, junto a um sofá de tecido apodrecido e esburacado, encontrei um armário contendo um rádio de válvulas, o plástico amarelado testamento da sua antiguidade.

Em cima de todas as superfícies, havia testemunhos de tempos passados: candeeiros de petróleo, lajes de lousa, frascos de tinta, canetas de embeber, etc. Contudo, o meu olhar recaiu principalmente num baú de madeira bichada pousado no chão ao lado das escadas. Curioso, abri-o. Não estava trancado. Lá dentro, encontrei álbuns com fotografias, algumas certamente com mais de cem anos. Era triste ver aquelas fotos de grupos animados, de casais a dançar, de jantaradas e pensar que a maioria daquelas pessoas, se não todas, já haviam partido.

No meio dos álbuns, contudo, encontrei um pequeno caderno. Abri-o e verifiquei que se tratava de um diário. Normalmente, nunca tiro nada dos lugares que exploro, nem acho que algum explorador urbano o devia fazer, mas ter nas mãos o relato de uma vida nos tempos de outrora era demasiado tentador, e a minha curiosidade levou-me a melhor, como sempre.

Saí da casa com o livro no bolso. A minha vontade era lê-lo logo ali no carro, mas a hora de jantar aproximava-se.

Quando cheguei a casa, pousei o livro e fui preparar a refeição com o resto da família. Apesar de estar algo curioso sobre o seu conteúdo, jantei com calma e ainda ajudei a minha filha com os trabalhos de casa.

Então, sentei-me à secretária e comecei a ler. As histórias no diário eram, de facto, interessantes, fantásticas, até, mas de uma forma que nunca esperara. Mencionavam lugares escondidos em cidades, montanhas e até no fundo do mar, e encontros com fadas, vampiros, bruxas, trasgos e inúmeros outros seres mitológicos e imaginários.

Seria aquilo uma obra de ficção, ou os devaneios de um louco? Na altura, não conseguia considerar outra hipótese. Contudo, também não conseguia parar de ler, até porque muitas das histórias se passavam em, ou perto, de sítios que conhecia.

Quando finalmente fui para a cama, já eram quase duas da manhã, e só me deitei porque tinha de trabalhar no dia seguinte. Ainda assim, só com muito esforço consegui afastar o livro da minha mente por tempo suficiente para adormecer.